TUDO EM STOCK. ENVIOS EM 24HORAS! - Enviamos para todo mundo.
+351 289 701 255

 

Vibradores e Dildos 

Agora que já sabem a diferença entre um Vibrador e um Dildo, vamos passar para o tópico em questão, tentando generalizar os dois artigos, para que este texto não se prolongue para fora do computador.


Dildo, dildo, dildo, para quem viu um dos últimos filmes que, na minha opinião, deixou um pouco a desejar, protagonizado pelo Mr. Jonny Deep, considerado um dos melhores actores da actualidade (e com isto concordo), `O Libertino´, saberá bem identificar este género de artigo. Pois quando o anão entra em cena montado num dildo gigante, dificilmente não se repara do que se trata.

Embora o rei acaba por não achar muita piada à peça de teatro, idealizado pelo Sr. Conde de Rochester, a verdade é que o dildo já existe entre nós há mais de 100,000 anos.

 

Ou seja, o homem desde que se conhece como tal (homo sapiens), só demorou cerca de 200,000 anos até conceber, o que em 1869 era receitado às mulheres para curar de uma doença, até então sem cura que se dava pelo nome de `histeria feminina´. Conhecido hoje por `tesão´. Como a medicina avança…

Esculpido de osso de baleia, supostamente o primeiro dildo de que há registo, foi encontrado na Islândia e estima-se ter cerca de 106,000 anos. Este artefacto, caracteriza-se por estar decorado com imagens de Deusas e um calendário menstrual antigo que permitia à portadora controlar os seus ciclos menstruais com base nas várias fases da lua.


Como sabemos, o trabalho árduo de arqueólogos desvenda-nos os segredos das civilizações passadas e, pelos vistos, o dildo fez parte de todas elas!
Trabalhos de escavação mostram-nos que algures nas dinastias chinesas foram fabricados exemplares em madeira, marfim e bronze; as gregas da civilização romana, parece que os preferiam em cabedal e, posteriormente, lubrificados com bastante azeitinho para escorregar melhor.

A preferência nas tribos africanas inclinava-se mais para a bosta de camelo coberta, com várias camadas de resina (possivelmente, devido aos fracos recurso financeiros ainda hoje sentidos). 

Sabe-se que as burguesas italianas do `Renaissance´ usavam `dilettos´ (delicias), fabricadas em prata e marfim e, que no século XIV, com a descoberta do processo da vulcanização da borracha, o dildo (implementado na Inglaterra vitoriana sob o nome “consolador de viúvas”), começou então a ser fabricado em borracha. Desde daí, com o desenvolvimento da indústria moderna, o dildo começou a assumir inúmeras formas e a ser fabricado nos mais diversos materiais, com o objectivo de torná-lo o mais realístico possível. Hoje em dia, já temos a Cyberskin, o Futorotic e o Ur3 (ultra realístico versão 3) a liderar o mercado em termos de realismo.


Curiosamente, sabem de onde deriva a história das bruxas com risos diabólicos a voarem sobre suas vassouras?

Pois, pois, é isso mesmo que estão a pensar…
Pelos vistos existem relatos que, à alguns séculos atrás, as mulheres celtas dançavam desvairadas, sob a lua cheia, nos campos recentemente arados, masturbando-se num ritual de fertilidade com cabos de vassoura. Supostamente, o intuito era o de tornar as terras mais férteis (elas lá sabiam).

Mas o contributo que o dildo teve na nossa sociedade não acaba aqui.

Algumas culturas, também utilizavam estes objectos para desflorar jovens virgens. 
Enquanto o falo sagrado poderia ser fabricado nos mais diversos materiais, parece também, que a estátua grega `Priapus´ (conhecido pelo Deus do pénis gigante) seria também cúmplice do desfloramento. As virgens escalavam para cima da estátua e, num movimento ágil de cintura, faziam-se escorregar até ao êxtase. 
Mas ainda não fica por aqui! 

No Egipto Antigo, parece que a estátua do Amun Rá, também era, muitas vezes, assediada pelas egípcias. Neste caso, acreditava-se que, masturbando-se empoleiradas sobre o seu “manhood”, a fertilidade estaria garantida! Facto é que, em 1990, parece que o governo do Egipto, atento a esta problemática da violação voluntária do património mundial, teve de colocar policiamento para guardar as estátuas que, ao longo dos anos, haveriam ter sofrido grande desgaste com o consequente rodeio feminino! E isto é verdade!

Pelos vistos, parece que muitas foram as civilizações que ao longo da nossa história utilizaram o dildo como um meio para atingir um fim. Para uns, estes objectos cilíndricos eram encarados como cura para doenças do fórum psicológico, para outros, encarado como meio de atingir satisfação sexual. Para resumir, no decorrer dos tempos o Sr. Dildo assumiu variados papéis, mas sempre ao auxílio da sociedade.

 


Após algumas noções e crenças históricas sobre este “Tesouro do Povo”, passo então a explicar as razões que levam as pessoas, ainda hoje em dia, a encararem este brinquedo como um amigo inseparável. 

 

 

Para brincar a dois 

Alguns homens têm alguma dificuldade em manter a erecção tempo suficiente para conseguirem satisfazer as suas parceiras. 
Esperem aí… isso não pode estar correcto. 
Será que os homens, não têm é estofo para elas? Hummmm…
Não. Isso, certamente, não pode estar correcto. 
Talvez, simplesmente, porque as mulheres devido à sua genética demoram é muito tempo a atingir o orgasmo!


Seja como for, o que é certo é que, em alguns casos, há homens que realmente não aguentam tempo suficiente para satisfazerem as suas parceiras. Atenção que isto não é grave, é mais que normal, nem todos dominam as técnicas infalíveis do kama sutra que, felizmente, foram, ao longo de milhares de anos, passadas de geração em geração pelos nossos antepassados até nós. Técnicas as quais, vou partilhar com vocês (noutros tópicos).
Mas é aqui que pedimos auxílio ao dildo. Este maravilhoso brinque
do, poderá bem ser o seu melhor amigo quando toca a satisfazer a sua cara-metade.

Se, eventualmente, tem tendência para atingir o orgasmo antes da sua parceira, uma boa solução poderá ser o de continuar a penetrar e a brincar com ela com o dildo, enquanto recarrega as baterias, deste modo, ela continuará disposta e excitada até que você consiga voltar a entrar no jogo.

Mas não pense que o dildo somente serve para encobrir as suas falhas, nada disso. Seja criativo com este brinquedo, uma prática sempre bem aceite será a sua utilização por via da penetração, enquanto pratica cunnilingos, ou seja, sexo oral (isto leva-as à loucura total).
Saiba também que, muitas mulheres, têm fantasias de penetração dupla, fetiche que poderá ser facilmente satisfeito com o auxílio de um dildo, ou então de um plug anal (não precisam de pedir ajuda ao vizinho). Veja algumas sugestões, Aqui.


Possivelmente, alguns de vocês, homens leitores, já começam a ficar receosos, pensando que algum dia, nós homens, já não vamos servir para nada! Nem pense. Após um questionário efectuado na nossa loja sobre este tema, chegou-se à conclusão que, embora os brinquedos sejam muito interessantes, nada substitui o prazer de um verdadeiro pénis de "carne e osso"! Estamos safos, rapaziada! Pelos vistos, é opinião de várias mulheres que, para além do calor humano de um parceiro e de mais uma cabeça para pensar na posição seguinte, é também muito apreciado por elas, o facto de ter alguém para abraçar após o momento de glória. Segundo se pôde constatar, a ideia de se abraçarem a um dildo depois do orgasmo, parece não confortar muitos corações solitários.

Assim sendo, não há motivo para alarme. Podem usar e abusar do dildo, certo é que a Maria nunca vai deixar o seu de lado. 


 

 

 

                                   Tipos de Vibradores e Dildos


Materiais:

 


Vidro

Como explicado anteriormente, há dildos fabricados nos mais diversos tipos de materiais. Todavia, se preza sobretudo a higiene dos seus brinquedos, o mais adequado será optar por um que, devido à sua composição, encontra-se, praticamente, isento de poros. Sem dúvida que, neste âmbito, a minha escolha terá de recair sobre os dildos de vidro, que são também muito apreciados pela sua rigidez. 

E então, porquê o vidro? 
- Primeiramente, por razões sanitárias. Enquanto outros matérias contêm químicos inerentes à sua produção (todos acumulam bactéria e vírus com mais facilidade), o vidro está isento de poros, podendo assim, ser mais facilmente limpo com água e sabonete, ou então desinfectado com álcool.

- Segundo, porque a sua superfície lisa permite um deslizamento melhor, normalmente, não necessita de lubrificante.

- Terceiro, porque poderá ser facilmente aquecido ou resfriado, podendo assim adicionar algumas diferenças de temperatura aos seus jogos.
Atenção: Não congelar o vidro, pois poderá originar fissuras.

Todavia, a ideia de colocar vidro em locais tão sensíveis como a vagina, ou o ânus, por vezes, poderá fazer-lhe alguma confusão, e não é para menos. Qualquer fissura ou rachadela, torna-o de imediato, num brinquedo muito inseguro de utilizar. Assim sendo, nunca será demais frisar na qualidade do artigo que pretende adquirir, não se retraia de gastar mais uns tostões num artigo de melhor qualidade, ou mesmo num topo de gama. Vale mesmo a pena, é do nosso corpo que estamos a falar! Da nossa saúde!

E já agora, embora os brinquedos de vidro de melhor qualidade sejam resistentes a pressões brutais (várias toneladas), aconselho sempre fazer-lhes uma inspecção antes de utilizar.

Compre agora, Aqui.

 


Borracha

Sendo um material que por si só tem um tacto bastante macio e flexível, a maior parte dos dildos são fabricados em borracha sintética. A sua limpeza não requer nenhuma técnica em especial, bastando para isso, água morna e sabonete antibacteriano.

Veja alguns, Aqui

 

 

Jelly 

Uma versão mais macia e mais maleável da borracha.

Será também, um material muito comum para o fabrico de brinquedos eróticos, sendo, muitas vezes, produzidos com aromas para disfarçar o cheiro forte da borracha.

Tem sido sugerido que, os brinquedos fabricados em jelly, contêm um químico chamado Phthalates, que se supõe não ser seguro para uso interno. Todavia, o risco de algum tipo de contaminação, devido ao tempo de exposição a este químico, com o uso de brinquedos eróticos, é bastante reduzido ou mesmo impossível. Fica aqui somente como um registo. No entanto, se preferir não arriscar, certifique-se que o brinquedo não contém este químico, antes de comprar, seja pela Internet, seja numa loja física.
 
Veja a nossa categoria, Aqui.
 
 

 
Silicone
 
Possivelmente, o melhor material para dildos, ou qualquer outro brinquedo erótico. O silicone é duradouro, flexível, hipoalergénico e, praticamente, não tem odor. Um dildo em silicone tem a vantagem de ser facilmente limpo, pois pode até ser mergulhado em água a ferver (desde que não tenha equipamento electrónico), ou até lavado numa solução com 10% de lixívia. Os dildos de silicone, também sustêm bastante bem o calor corporal e até poderá optar por, antes de o utilizar, passar-lhe por água quente.
 
Veja toda a nossa gama, Aqui.
 
 
 
 
Realísticos 
 
Estes dildos são, sem dúvida, os mais realísticos, tanto a nível visual como de tacto. O material em que são fabricados, normalmente, será `Cyberskin´, ou`Futurotic´ ou`ur3´, mas também podem ser fabricados em borracha, jelly ou silicone.
 
Em combinação com o material muito semelhante à pele humana, com tacto aveludado, também se caracterizam por terem os detalhes das veias, dos músculos e da glande muito bem definidos. Muitos, até são pintados à mão para que os pormenores estejam ainda mais destacados. Podem-se encontrar, também no mercado, dildos cujas concepções se baseiam num molde retirado de famosos actores de filmes pornográficos. Certamente se lembram do Alexandre Frota, pois ele também tem o seu exemplar (o molde, claro), à venda no mercado e, pelos vistos, teve alguma procura…
 
Veja as réplicas, Aqui.

 
 
 
Formatos

Duplo
 
O dildo duplo, normalmente, mede entre 35 e 45 centímetros de comprimento e a ideia principal será o de penetrar dois parceiros, em simultâneo, permitindo que mantenham alguma distância entre si, para poderem revirar e espernearem-se à vontade.

Veja as nossas sugestões, AQUI.
 


 
 
 
 
Dupla Penetração
Este género de arma tem dois falos na mesma direcção, com alguma distância entre si, servindo o intuito da dupla penetração simultânea. Estas maravilhas do prazer são bastante solicitadas por senhoras apreciadoras, tanto da penetração anal, como vaginal, e que pretendem a dose dupla, em simultâneo. Normalmente, estes dildos têm um falo com diâmetro mais comedido que outro, para facilitar a introdução anal.
 
Veja a nossa categoria, Aqui.
 

 
 
Lisos
 
Embora não exista muito mercado para este género de dildo, cuja falta de textura não oferece qualquer fricção, há sempre aquelas que garantem que a suave viagem que proporcionam é qualquer coisa de outro mundo.
 
 
 
Com Estimulador de Clítoris
 
Embora estes aparelhos, normalmente, venham na qualidade de vibradores, explico a sua função no geral.
São vibradores que, acoplados a si, têm um pequeno aparelho, para que, aquando a penetração, possam proporcionar uma agradável massagem ao clítoris. Para quem aprecia este tipo de estimulação, aconselha-se vivamente este género de brinquedo.
 
Compre agora, Aqui.

 
 
 
 
Com Estimulador do Ponto G
 
Os dildos com esta especificidade vêm, basicamente, em dois formatos:
- Finos e dobrados na ponta.
- Ou, com diâmetro normal, mas ao meio do seu percurso, têm uma saliência bastante acentuada.
Seja para qual deles recair a sua preferência, a função é a mesma: A estimulação do `ponto G´.

A ideia geral será, então, a de apontar a parte saliente ou curvada para a zona mágica e aplicar alguma pressão. Para mulheres que não apreciam este género de estimulação, estes aparelhos por si só nada vão fazer, ao contrário, existe a outra fatia de mulheres que enlouquecem de prazer aquando a estimulação das glândulas de skene. Para estas, estes aparelhos são designados como incríveis!

Se não tem bem a certeza se a estimulação do `ponto G´ é, ou não, para si, nada melhor que adquirir um destes aparelhos e experimentar. Lembre-se de usar bastante lubrificante e, como dica, informo que as mulheres respondem melhor a esta estimulação usando uma certa pressão, e até com pequenos toquezinhos, de que com suaves carícias. Este género de dildos, também são fantásticos estimuladores da próstata.
 
Veja a nossa categoria de Vibradores do Ponto G, Aqui.
 
Veja toda a nossa gama de Lubrificantes, Aqui.
 
Veja outros estimuladores de Próstata, Aqui.
 
 

 
Gigantes
 
Serão dildos com tamanhos exagerados para muitos, mas que, por vezes, despertam a curiosidade dos mais audazes. Normalmente, medem acima de 28cm de comprimento e 16cm de perímetro e, geralmente, são utilizados como biblôs lá para casa.
 
Veja a nossa categoria, Aqui.

 
 

Arnês com Dildo
 
Em Portugal, os arneses acabam por ter várias denominações. Enquanto não aparece nenhuma entidade que decida como é que este aparelho se vai realmente chamar, nós aqui, vamos tratá-lo por arnês com dildo. Como referência, há quem lhes chame `cinta com pénis´, `cueca com pénis´ ou, mesmo tratando-o pelo nome inglês, `strap-on´.
Seja como for, um bom sistema de arnês, normalmente, tem um dildo destacável, possibilitado ao seu possuidor, trocá-lo por outro quando se fartar. Estes sistemas são os mais cómodos, pois permitem uma melhor limpeza de todos os acessórios constituintes.
Os dildos são então colocados no arnês, normalmente fabricado em pele, polipele ou elástico, que, por sua vez, será vestido como se de uma cueca se tratasse.

Existem no mercado arneses unisexo, que, dado o seu formato com abertura na virilha, possibilitam inúmeras brincadeiras, incluindo serem usados pelos homens para brincadeiras de penetração dupla na parceira. Este género de arnês, possibilita que a mulher, enquanto penetrada por outro aparelho, poderá ela também penetrar ou, simplesmente, `emprestar´ o seu brinquedo a alguém que esteja com apetite de fazer um pouco de sexo oral.

Basicamente, os arneses com dildo são brinquedos muito interessantes, tornando-se mesmo bastante polivalentes. A sua grande vantagem, em relação aos dildos convencionais, é que, mesmo que não tenha um pénis verdadeiro, ou um que já não tem as prestações de outrora, os movimentos que terá de executar para o utilizar sempre contemplam mais realismo ao exercício.
 
Veja as nossas categorias, Aqui.
 
 
 
 
Com Ejaculação
 
Esta é somente mais uma das características dos dildos. Em princípio, o nome diz tudo. Há, então, dildos que simulam a ejaculação.

 
 
 
Com Ventosa

Muitos dildos têm na sua base uma ventosa. Este género de cavalo de batalha, poder-se-á mostrar bastante útil, pois poderá ser colado em qualquer superfície plana, possibilitando montar o seu dildo, sem ter de ocupar as mãos e, assim, poderá utilizá-lo para outras coisas muito mais interessantes… Se é que me entende.
 


 
Veja a nossa categoria, Aqui.
 
 
 
 
Outros

Se, por qualquer razão, há pessoas que preferem os dildos que em nada se assemelham a um verdadeiro pénis, então, talvez será a altura ideal de se aventurar por algum desses que andam por aí, com formas um tanto ao quanto misteriosas. Todos os dildos proporcionam uma sensação diferente e, por mais estranho que alguns possam parecer, acreditem que têm mercado. Há sempre alguém à procura de qualquer coisa diferente que possa proporcionar aquele prazer e satisfação que mais nenhum proporcionou. Assim sendo, mantenha uma mente aberta e experimente se tem essa curiosidade.
 
 
IMPORTANTE: Os brinquedos sexuais, devido ao prazer que proporcionam, criam dependência física e psicológica.
A questão é, e isso será mau?
 
 


Dildo Com Vibração
 
Este género de aparelho será o, então muito conhecido, "vibrador".
Se pensa que a tecnologia foi posta de lado neste campo, não poderia estar mais enganado. Saiba que os vibradores evoluem quase tanto como os computadores! É verdade, qualquer dia colocam-lhes umas asas e começam a voar. Ou melhor ainda, talvez no futuro serão inteligentes sendo activados à voz. Engraçado seria se o dono se esquecesse do comando para o parar!

Mas pronto, já foi explicado que um vibrador será então um dildo, mas com vibração.
Tal como os dildos, os vibradores podem assumir vários formatos e são também fabricados nos mais diversos materiais.
Normalmente, quando as pessoas pensam em brinquedos sexuais, pensam logo `vibrador´ e talvez, por uma boa razão, são versáteis, acessíveis para a bolsa e as poderosas sensações vibrantes que proporcionam, acabam, de facto, por satisfazer a maioria.

 

No entanto, escolher um vibrador que vá em conta com as suas necessidades poderá ser mais complicado, do que parece à primeira vista. Sabia que existem no mercado centenas e centenas de modelos diferentes?
Ah, pois é!

Mas, como sempre, o Love Doctor vai auxiliar na sua escolha.
Antes de começar, há algumas coisinhas sobre estes aparelhos que deverá saber.

A maioria destes equipamentos são fabricados com o intuito de serem mais do género brinquedos, de que propriamente aparelhos. Quer isto dizer então, que a sua duração é sempre um tanto ao quanto limitada, ou imprevisível, podendo ser de dias, ou até alguns anos. Depende um pouco da sua utilização e também de sorte na compra.

Alguns aparelhos, os mais caros, têm garantia, mas, no geral, não espere grandes milagres de durabilidades do seu companheiro vibrante. Normalmente, com algum cuidado na sua utilização e manutenção, a esperança média de vida de um vibrador até é bastante aceitável. Tenha sempre em atenção guardá-lo num lugar seco e sem as pilhas, pois as mesmas podem derramar e, para além disso, estragar o seu brinquedo (o líquido que contêm espalha-se por todo lado, tornando-se chato de limpar).


E falando em pilhas...
Já que estamos com este tema em aberto, aproveito para informar que a escolha de pilhas vai determinar a quantidade de prazer sentido.

E como é que isto acontece ?

Pois bem, você é daquelas que, simplesmente, liga o seu aparelho e deixa-o à vontade? Ou prefere percorrer as várias velocidades e intensidades?

Seja de uma forma ou de outra, saiba que os vibradores consomem pilhas, papam-nas, de facto. Aas pilhas mais baratinhas talvez não durem mais de 10 minutos e, se o aparelho tiver outras funções para além da vibração, poderão mesmo nem funcionar.
Assim sendo, quando pensar em comprar pilhas para equipar o seu aparelho, opte por umas alcalinas de boa qualidade. Se usa o seu brinquedo com alguma frequência, talvez deverá ponderar em pilhas recarregáveis e um carregador.
 
Aproveite e compre já as pilhas, Aqui.
 
Mas, se é daqueles que deixa sempre acabar as pilhas, temos a solução ideal para si: vibradores carregáveis. Para além de serem, quase sempre, de uma qualidade muito elevada, dispensam a utilização de pilhas e são potentíssimos e eficazes brinquedos eróticos! A carga perdura durante dias a fio, com um só carregamento, garantindo que estejam sempre prontos para entrarem em acção, logo que sejam solicitados! Esqueça as pilhas e as chatices que delas advêm...  Adapte-se às novas tecnologias e adquira já, um vibrador carregável, Aqui.
 
Já agora, alguma vez equacionou a possibilidade de adquirir um aparelho com comando à distância, para que o seu companheiro possa participar na brincadeira?
 
Veja alguns, Aqui.
 
 

 
E um modelo com ligação à tomada de 220v para vibração extrema?

Quando comprar um vibrador, talvez outro ponto a ter em consideração será o nível de ruído emitido. Embora não se pense muito nisto, mas alguns aparelhos, os mais potentes, que são ligados directamente a tomada de 220v, fazem, de facto, algum ruído. Não vou dizer que parecem máquinas de lavar roupa, nada disso, nem tão pouco fazem o barulho de um secador, mas assemelham-se bastante a uma máquina de barbear. Claro que os vibradores alimentados a pilhas fazem muito menos barulho, mas, em contra partida, não têm tanta potência. Cabe-lhe a si decidir, se quer que a sua vizinha pense que você tem necessidade de se depilar todos os dias, ou então comprar um aparelho com um ruído mais discreto, podendo ser utilizado mais descontraidamente...
 
Para facilitar a sua compra neste sentido, juntámos os mais silenciosos numa só categoria, Veja Aqui.

Sendo que a intensidade dos vibradores modernos poderá variar consoante o equipamento, variam desde a vibração suave e concebida para relaxar, até à vibração mais potente, podendo-se tornar até desconfortável. Assim sendo, para que possa experimentar uma vibração que vá completamente em conta com as suas necessidades e gosto pessoal, aconselho um aparelho que tenha vibração variável. Eles existem mesmo por isso, para agradar a todos. Por isso, tire proveito desse factor. Comece sempre no mínimo e vá aumentando a intensidade até sentir que é isso que lhe enche as medidas. 
 
 

A maioria dos vibradores assemelham-se ao falo.
Como explicado na secção dos dildos, alguns são, de facto, muito realísticos e outros, no entanto, não partilham qualquer semelhança. Quando considerar comprar um vibrador, tenha em conta o que realmente procura, enquanto algumas pessoas - os novatos - preferem os vibradores bala mais pequenos, outros preferem os modelos tradicionais de maiores dimensões. Outros ainda, procuram aparelhos com várias funções especiais, como por exemplo, estimuladores do “ponto G”, massajadores de clítoris ou ainda vibradores com rotação - há de tudo! Mas para simplificar as coisas, se ainda não tem muita experiência neste campo, o ideal será começar por um modelo simples e relativamente pequeno, para depois se aventurar por voos mais altos. De qualquer modo, em vez de ir adquirindo aparelhos cada vez maiores, opte por experimentar os que têm algumas funções especiais. Estes, normalmente, são alvo de algum estudo e são de facto excelentes companheiros de cama.

Em relação às texturas, normalmente, as mais escolhidas são as em forma de espiral, as rugosas e as com veias salientes, sendo que os mais aficionados tendem a ter um pouco de tudo lá por casa, incluindo um com testículos para aquela sensação de chapadinhas no rabo que elas tanto adoram.

Se quiser dar uma vista de olhos ao nosso catálogo, sinta-se à vontade... Aqui
 
 
 
 
Penetração Anal

Antes de fechar este tema, vou falar um pouco sobre os vibradores e a penetração anal.
Muitas são as pessoas que optam por comprar um vibrador com o intuito de ser utilizado como estimulador anal, até aí tudo bem. Mas tenha em atenção o tipo de aparelho que escolhe para esta aventura. Embora algumas pessoas até aguentem um aparelho de maiores dimensões, a verdade é que a maioria deverá optar por um vibrador com medidas um pouco mais comedidas e cujo formato permite a sua retirada fácil após o orgasmo. Refiro ainda que, neste contexto deverá escolher um aparelho com uma boa base, tanto para facilitar o seu manuseio, como para que não escorregue acidentalmente lá para dentro, sendo depois necessário ajuda médica para ser removido. Depois não diga que eu não avisei.
Não esquecer que o ânus não produz qualquer tipo de lubrificação natural, assim sendo, não esquecer… Bastante lubrificante e, de preferência, um mais adequado a relações anais.
 
Veja os que seleccionámos para si, Aqui.


 
 
 
Em suma...
Lembre-se que deverá sempre evitar artigos de má qualidade; que apresentem lascas; pontas afiadas, devido ao seu mau acabamento; fios eléctricos expostos; materiais tóxicos ou irritantes; contaminação bacteriana; comprimentos ou perímetros exagerados para o seu corpo e preferir artigos que, devido ao seu formato, permitem a sua fácil remoção após o orgasmo. 

Pratique sexo seguro com os seus brinquedos. Se for partilhá-los, utilize um preservativo. Após a utilização, lave os seus artigos sempre muito bem com água morna e desinfecte com spray próprio. Poderá encontrar alguns, Aqui.
 
 
Alguns materiais não são compatíveis com lubrificantes de silicone. Informe-se antes de adquirir estes produtos.

 

Como curiosidade, saiba que o primeiro Vibrador a ser comercializado foi em 1911. E o primeiro dildo electromecânico a ser inventado foi em cerca de 1880, por um farmacêutico britânico, sendo o 5º electrodoméstico a ser electrificado! 

É verdade, logo a seguir à máquina de costura, à ventoinha, à chaleira e à torradeira. 
10 Anos antes do aspirador! 

Parece que o homem da era industrial, tal como conhecemos, sempre teve as suas prioridades bem definidas.

E esta hein? 


( Textos do "Love Doctor" )

 

 

 

www.cupidosshop.com
A Sex Shop de Portugal